Inauguração Memorial Instituto Estadual Carlos Gomes

Foi inaugurado nesta quinta-feira, 7, à tarde, durante a programação do XXXI Festival Internacional de Música do Pará, o Memorial Carlos Gomes. A sala de exposições, onde funcionou a Musicalização, e que agora abriga parte do acervo do Instituto Estadual Carlos Gomes, foi inaugurada pelo secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Alex Fiúza de Melo, representando o governador do Pará, Simão Jatene. A solenidade contou também com a presença do secretário de Estado de Cultura do Pará, Paulo Chaves Fernandes, e do deputado estadual Fernando Coimbra. Estudantes e professores do Instituto, servidores e pessoas que dedicaram parte da vida ao ensino da música no estado compareceram à inauguração.

Ao falar sobre a recuperação do acervo e todo o trabalho desenvolvido para resgatar a tradição musical da centenária instituição de ensino da música, o superintendente da Fundação Carlos Gomes (FCG), Paulo José Campos de Melo, destacou a importância do Instituto para a cultura do Pará. “Resgatar toda essa documentação, fotos, objetos vai possibilitar que as pessoas que circulam aqui convivam com a própria história no seu dia a dia. Os alunos vão ter acesso a isso, vão ter noção da importância do Instituto no contexto da sociedade paraense e vão ter outro tipo de relacionamento com a perspectiva de seu futuro musical porque sabem que estão numa instituição que tem uma sólida história de grande importância para a sociedade paraense”.

O secretário Alex Fiúza de Melo ressaltou a importância das instituições públicas para a coletividade e como através delas a sociedade se identifica e se reencontra com seu passado. “Isso aqui é uma instituição viva e a grandeza e o simbolismo dela estão ligados diretamente a toda a energia construída no tempo por tantas gerações. Saber do esforço de tantas pessoas para que chegássemos a esse ponto é uma forma de estimular aqueles que estão hoje à frente da instituição, para que eles possam honrar e consolidar esse trabalho para as futuras gerações. É, sem dúvida, uma das melhores, mais importantes e simbólicas instituições desse estado”.

De acordo com a historiadora Rosa Arraes, responsável pela restauração do acervo, a pesquisa de resgate da documentação levou um ano para ser concluída e partiu da necessidade de descobrir de onde vem a tradição do ensino musical que Belém tem. O Memorial tem 96 peças expostas, mas o acervo é tão grande que ficará na reserva técnica para que sejam feitas exposições temporárias. Fazem parte do rico acervo, obras de arte, álbuns, fotografias e objetos.

“As pessoas vão se reencontrar com essa tradição musical, com os professores antigos, com a música que era feita na época do império, no século 19, no início do século 20, vão encontrar pessoas que estão fazendo a propagação da arte e da cultura na cidade de Belém”, disse a historiadora.

Ao entrar no prédio central do Instituto Maria Augusta Bastos ficou muito emocionada. Ela é neta de Antônia Rocha de Castro, musicista que foi responsável por criar em 1915 uma escola que evitou o desaparecimento do ensino da música após o decreto de 1908 que interrompeu as atividades do Conservatório. No piano, que pertenceu a professora Guilhermina Nasser e está em exposição na sala do Memorial, ela tocou ‘a valsa do estudo’. “É uma emoção muito grande reviver tudo isso porque eu também estudei aqui”.

Após a inauguração, convidados e o público presente assistiram à apresentação da Banda Christo Redentor, do polo do Projeto Música e Cidadania, que tocou um repertório com lambada e carimbó no palco montado nos jardins do Instituto.

Por Rosa Cardoso

A solenidade contou também com a presença do secretário de Estado de Cultura do Pará, Paulo Chaves Fernandes, e do deputado estadual Fernando Coimbra. Estudantes e professores do Instituto, servidores e pessoas que dedicaram parte da vida ao ensino da música no estado compareceram à inauguração.

A sala de exposições, onde funcionou a Musicalização, e que agora abriga parte do acervo do Instituto Estadual Carlos Gomes, foi inaugurada pelo secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Alex Fiúza de Melo, representando o governador do Pará, Simão Jatene.